2021
Add your custom text here
POR QUE RAZÃO ALGUMAS ESTRATÉGIAS FALHAM?

Depois de exaustiva preparação, análise e planeamento da estratégia. Tudo deveria funcionar e resultar na perfeição, certo? Mas isso nem sempre acontece. Porquê?

Uma pesquisa realizada em 2009, pela Forbes Insights, com uma centena de CEOs, constatou que mais de 30% destas empresas falham por colocarem os seus melhores recursos (humanos e materiais) somente no planeamento estratégico, e tratando a execução como um processo simples e menos importante. Como resultado, as estratégias falham, os clientes se vão, os talentos são perdidos e o resultado financeiro é desastroso.

O planeamento é visto como o ‘lado glamoroso’ da estratégia, sessões de brainstorming, ferramentas de Creative Thinking resultam em ideias disruptivas e inovadoras. Entretanto, um bom plano é aquele que conseguimos implantar, com os recursos e estrutura que temos no momento. Planos mirabolantes acima da capacidade de execução da organização geram frustração e desperdício de energia.

A Execução é o que define o nível de maturidade de uma organização. Não existe uma solução única para solucionar esta falha, não existe um desafio único e predominante, há uma variedade de questões diferentes para cada organização e que exigem atenção de igual valor. Mas para hoje apontaremos 3 principais: 

Comunicação – muitos gestores têm dificuldades em compartilhar a sua visão de futuro, a visão estratégica, portanto, preferem manter os temas ligados a estratégia apenas para si. Este estilo de gestão tem grandes probabilidades de falhar, pois para o sucesso da execução precisamos de disciplina e esforços alinhados com a visão da empresa. Os executantes (operacionais) devem estar por dentro da estratégia saber o porquê e para que das suas acções.

Sincronização ou Alinhamento. A relação entre os estrategistas e os executantes. Estas duas equipas, ambas importantes, costumam ter pontos de vista divergentes o que não é de todo mau, o importante é que a medida que for desenvolvendo a estratégia, leve em consideração os estilos de pensamento e os perfis e capacidades das pessoas que serão responsáveis pela sua execução.

Métricas que permitem aferir o quão bem o plano está a ser executado, que possam ser facilmente compreendidas pelos executantes, que foquem a sua atenção e motivem a um engajamento em torno do sucesso da estratégia. 

Redefina a forma como olha e trata os temas operacionais ou de execução na sua organização. Permita e acredite que estes têm capacidade de aproveitar oportunidades alinhadas com a estratégia e, ao mesmo tempo, actuar em coordenação contínua com outras unidades na organização. 

RESILIÊNCIA ESTRATÉGICA